Pesquisa coloca o corte seletivo de árvores na Amazônica sob suspeita

Tema:Ecologia
Autor: Eduardo Geraque/ Agência Fapesp
Data: 1/8/2006

Uma nova pesquisa coloca novamente o corte seletivo de árvores na floresta amazônica sob suspeita. Pelos cálculos do pesquisador norte-americano Gregory Asner e colaboradores – entre eles dois brasileiros –, 32% das regiões usadas para a derrubada programada, entre 1999 e 2004, foram posteriormente arrasadas em até quatro anos.

“Nosso estudo mostra que, no passado, as áreas voltadas para o corte seletivo foram consumidas pelo desmatamento a uma velocidade de 16% no primeiro ano após o início das derrubadas programadas e 5,4% nos três anos subseqüentes”, disse Asner, professor do Departamento de Ecologia Global do Instituto Carnegie, em Stanford, na Califórnia, à Agência Fapesp.

O estudo será publicado pela revista Proceedings of the National Academy of Sciences (Pnas), primeiro no site e depois na versão impressa.

Segundo o cientista, é natural que os dois processos ocorram em uma mesma região, por utilizarem as mesmas rodovias abertas no meio da floresta. Mas a alta probabilidade de que o corte seletivo de hoje se torne o desmatamento de amanhã não era realmente esperado. Tudo somado, as chances de uma área seletiva virar um zona destruída em quatro anos dentro da Amazônia, segundo a pesquisa, é de 32,7%.

“A ligação entre o corte seletivo e o desmatamento com a construção de rodovias é claro. As estradas são as principais vias utilizadas pelas pessoas para acessar o patrimônio ecológico”, disse Asner. Para chegar aos resultados apresentados agora, foram utilizadas imagens em alta resolução da floresta amazônica feitas por satélites.

O estudo conseguiu mapear com precisão a ligação entre o impacto sobre a floresta e as estradas. Ao todo, 17 mil quilômetros de matas foram derrubados por ano no período analisado. Dentro de uma distância de 5 quilômetros da rodovia, as taxas de desmatamento e corte seletivo apresentaram os mesmos índices.

“Entretanto, entre 5 e 25 quilômetros, as zonas com corte seletivo foram quatro vezes mais assediadas pelos processos de desmatamento total do que as próprias regiões de floresta intacta”, disse Asner.

O pesquisador norte-americano e seus colaboradores enxergam com bons olhos as medidas anunciadas pelo governo federal brasileiro em junho. Segundo o anúncio, deverão ser investidos nos próximos meses R$ 2,4 milhões no monitoramento do desmatamento seletivo na Amazônia, em trabalho a ser desenvolvido pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe).





© Copyright 1998 - 2012 - 360 GRAUS MULTIMÍDIA
Proibida a reprodução integral ou parcial, para uso comercial, editorial ou republicação na Internet, sem autorização mesmo que citada a fonte.

Compartilhe:


Livros:

Equipamentos:

  • Parque Nacional Marinho dos Abrolhos
    Parques
    Parque Nacional Marinho dos Abrolhos
  • Parque da Restinga de Jurubatiba. Equilíbrio Biológico Global
    Ecoturismo
    Parque da Restinga de Jurubatiba. Equilíbrio Biológico Global
  • Penedo: conheça a bela 'pequena Finlândia' do Brasil
    Ecoturismo
    Penedo: conheça a bela 'pequena Finlândia' do Brasil
  • Rio Araguaia: uma das mais belas e principais paisagens brasileiras!
    Destinos
    Rio Araguaia: uma das mais belas e principais paisagens brasileiras!
  • Parati: charmosa, elegante e cheia de histórias de aventuras
    Lugares
    Parati: charmosa, elegante e cheia de histórias de aventuras
  • Parque Nacional dos Lençóis Maranhenses reserva muitas atrações
    Ecoturismo
    Parque Nacional dos Lençóis Maranhenses reserva muitas atrações