Interferência humana

Tema:Ecologia
Autor: Agência CT - Bruno Radicchi
Data: 3/1/2006

A Antártica é um continente com quase 14 milhões de km², recoberto por gelo em 99,5% de sua área, com espessura que chega a atingir quase 5000 metros. O volume de gelo é de 25 milhões de quilômetros cúbicos, o que o torna a maior fonte de água potável e um dos maiores dissipadores de calor do Planeta.

A influência do homem nos processos de alteração do clima da região e do mundo divide os cientistas. Quanto ao impacto ambiental decorrente da presença humana no continente, acordos internacionais garantem uma satisfatória segurança. As missões instaladas na Antártica se caracterizam pelo baixo impacto ambiental. O esgoto e o lixo são tratados e levados de volta para os continentes de origem, enquanto a matéria orgânica é queimada.

Entretanto, os efeitos da ação do homem sobre o continente e os reflexos para o clima no Globo ainda geram muitas dúvidas. O professor Carlos Alberto Garcia, físico e pesquisador da Fundação Universidade Federal do Rio Grande do Sul (FURGS), dedica-se à oceanografia de altas latitudes, como a dos pólos. Para ele, antes de qualquer tentativa de estudo sobre a interferência humana no meio ambiente, é necessário conhecer a ‘variabilidade natural’ dos ecossistemas. “Para entendermos as mudanças no meio ambiente, antes de tudo precisamos entender o próprio meio ambiente”, afirma.

Atualmente ele investiga a possibilidade das águas profundas antárticas passarem por um processo de aquecimento. “Com esse panorama de aquecimento global, verificamos, especialmente nessas regiões, uma tendência dessas águas de fundo apresentarem um aquecimento médio. Alguns pesquisadores já chegaram a análises que apontam para isso”. Segundo ele, se for verificada essa tendência no processo de formação das águas profundas, a reversão do quadro é ainda mais complicada do que a reversão de processos atmosféricos, pois os processos marítimos, em comparação com os climáticos, são mais lentos tanto para ocorrerem como para ser corrigidos.

O trabalho do professor Jefferson Simões também aponta para uma expressiva influência do homem na região antártica e no clima global. No final de 2004, ele foi o primeiro brasileiro a atravessar, por via terrestre, o continente e chegar ao Pólo Sul Geográfico, um dos pontos mais remotos do Planeta. Durante o trajeto, Simões coletou amostras de gelo antártico a cada dois graus de latitude (220 km de distância), em profundidades que chegavam a 50 metros. A análise do material irá permitir estudar variações em parâmetros ambientais como temperatura, vestígios de explosões vulcânicas, processos de desertificação global, padrões de circulação da atmosfera e dos oceanos e transporte de poluentes para a Antártica, por exemplo.

O cruzamento desses dados com os coletados por cerca de 20 outras equipes internacionais indicam fatos surpreendentes. A análise de camadas de gelo antártico - algumas retiradas há mais de 3,5 mil metros de profundidade - aponta, por exemplo, que, desde a Revolução Industrial, há 200 anos, as concentrações de gás carbônico e metano na atmosfera aumentaram, respectivamente, 36% e 130%. Segundo os especialistas, esses resultados mostram que a concentração de gases causadores do efeito estufa na atmosfera nunca foi tão alta ao longo dos últimos 420 mil anos, evidenciando, assim, a origem artificial desses gases.

Nota da Redação

O primeiro brasileiro a pisar o Pólo Sul foi o professor Rubens Junqueira Vilella, em 17 de novembro de 1961. Na verdade a reportagem cita uma travessia a pé em direção ao pólo sul geográfico e neste caso, confirmamos também que Júlio Fiadi, já esteve lá em 2001.

Nesta reportagem:

» Admirável mundo gelado
» Pesquisas
» Interferência humana
» Antártica em números





© Copyright 1998 - 2012 - 360 GRAUS MULTIMÍDIA
Proibida a reprodução integral ou parcial, para uso comercial, editorial ou republicação na Internet, sem autorização mesmo que citada a fonte.

Compartilhe:


Livros:

Equipamentos:

  • A emoção de um vôo de acrobacia em avião da Segunda Guerra
    Aviação
    A emoção de um vôo de acrobacia em avião da Segunda Guerra
  • Torres: a beleza e perfeita harmonia entre natureza e cidade
    Ecoturismo
    Torres: a beleza e perfeita harmonia entre natureza e cidade
  • A magia de Alto Paraíso na Chapada dos Veadeiros
    Lugares
    A magia de Alto Paraíso na Chapada dos Veadeiros
  • Como andar de bike com segurança em grandes cidades? Veja dicas
    Dicas
    Como andar de bike com segurança em grandes cidades? Veja dicas
  • Subwing: Experimente a sensação de voar debaixo d'água
    Mergulho
    Subwing: Experimente a sensação de voar debaixo d'água
  • Ubajara: um oásis em meio ao sertão cearense
    Ecoturismo
    Ubajara: um oásis em meio ao sertão cearense